Meus sentimentos

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Meus sentimentos

Mensagem  territoriodeumsonhador em Seg Ago 01, 2011 9:23 pm

Sou homem, tenho 27 anos e sou gay. Tenho dois amigos que já estão mais maduros, passaram dos 40 anos (Carlos e Maurício). Sinto um amor platônico por Carlos. Eles são amigos de infância. E eu cultivo uma amizade com eles. Desta forma, por eu amar um deles, sinto uma enorme necessidade de estar perto, saber td sobre, de estar pelo menos no mesmo lugar que ele, sinto saudade direto, mesmo estando no mesmo grupo religioso que ele. Isso já faz um ano. Já fiquei com ele, mas não quis namorar comigo, então agora somos amigos. Desta forma, eles tem uma relação muito sólida, muito íntima, e ocorre algumas vezes de haverem conversas particulares, e me deixar de fora. Isso me incomoda profundamente, mesmo entendendo que eles são amigos de longa data. Me sinto excluído, até pq eu sinto que eles mudam de assunto quando eu chego. (Uma vez eu perguntei para Maurício, que se disse estar num dia de surto, por não ter podido ir ao seu psicólogo, se ele confiava em mim, ele disse que não , que eu não passava de um curioso que quer saber td. Que eu não quero saber se ele está bem, e sim apenas saciar minha curiosidade, que eu não me manco e fico na casa dele até tarde, que eu não poderia ter a mesma liberdade de freqüentar a casa dele do que Carlos por ele não freqüentar a minha casa (pois eu moro com família grande, e é mais complicado receber visita, e Carlos mora sozinho e um tem livre acesso a casa do outro ). Eu fiquei muito triste, tive dificuldade até pra dormir tranquilamente. Ontem, dia 31/07/2011, eu estava na casa de Carlos com Maurício, seu filho adotivo e mais um casal de amigos (já to ficando com medo desta palavra amigo) e em um determinado momento, eles ficaram conversando numa sala, eu bati p entrar, lá estavam Carlos, Maurício, e um dos outros dois. Eu perguntei se podia entrar e Maurício disse que estavam conversando intimamente. Me senti muito mal. Não por curiosidade por saber o que estava sendo dito, mas por me senti novamente excluído. Me senti estranho, parecia que eu não era amigo deles, parecia que um tem carinho por outros e não por mim, parece que eles se gostam e quanto a mim, eles apenas aturam. Claro que eu posso estar enganado, mas é muito duro pra mim saber que seu amigo não confia em você. Que não tem vontade de se abrir com você, por falta de confiança. Em inúmeras vezes eu deixei passar, fingi que não percebi, mas desta vez eu não agüentei a sensação de rejeição. Carlos disse que este “disco já arranhou” , mas eu acabei falando com Maurício: mais uma vez você está me excluindo né? Não deveria ter dito, mas eu precisava colocar pra fora o sentimento ruim que estava me corroendo . Claro que Maurício não recebeu bem as minhas palavras, contou pra Carlos que mandou me chamar e reclamou pra eu parar de ser assim que é uma atitude doentia, que eu me faço de coitadinho e tenho uma curiosidade mórbida sobre as pessoas. Minha curiosidade não é por qualquer pessoa, é apenas por Carlos que eu amo e por Maurício, que é meu amigo. Sofro por causa deste sentimento que tenho por Carlos, sou amigo dele, mas me sinto mal com estas atitudes. Não quero que eles se afastem de mim, tenho medo que isso aconteça, sou ciumento, mas fico muito triste quando sinto que não sou lembrado, quando me sinto excluído. Sei que sou carente, mas to começando a perceber que jamais terei a confiança de Maurício, acredito. Ele exemplificou uma ocasião em que, perto de amigos, eu perguntei pra ele se ele está fazendo tratamento, pois ele tem uma doença séria, porém curável, e ele disse ontem que isso era uma coisa muito íntima que eu não deveria ter comentado, com certeza pra exemplificar pra todos que eu não sou uma pessoa confiável, mas eu apenas queria saber se ele estava bem, apenas, sem maldade, sem fofoca, sem malícia. Falo de coração. Uma vez, eu estava saindo da casa de Maurício, por que o namorado dele chegou, daí eu fui ao banheiro e demorei um pouco pra sair, e ele achou que eu estava ouvindo atrás da porta. Ele foi me dizer isso muito tempo depois, dia 29/07/2011. Chato isso. Gostaria que ele confiasse em mim, o amor de Carlos eu nunca vou ter, mas a amizade quero ter pra sempre, pois gosto muito dele, o admiro muito, tenho muito carinho, não gostaria de perder contato jamais. Sofro quando tomo conhecimento de uma aventura dele. Fico mal. Como gostaria de ter livre acesso na casa dele, mas toda vez que eu pergunto se posso passar lá sozinho ele sempre tem uma desculpa pra eu não aparecer. Só tenho conseguido entrar lá agora se eu estiver acompanhado do Maurício, que tem carta branca na casa dele, assim como tem também Carlos na casa de Maurício. Como eles são reciprocamente melhores amigos, e não freqüentam a minha casa, parece que os meus “direitos” ou “liberdade” são muito limitados. Fico triste com isso. Pode ser doentio este texto, mas eu estou me sentindo um pouco melhor só por estar escrevendo tudo isso.
Desta forma, eu tenho muita dificuldade de lidar com os meus sentimentos quanto a isso, fico na paranóia de achar que não gostam de mim, que me acham chato, indesejado, que não gostam da minha presença, e sofro muito com as situações. O que devo fazer para me fortificar emocionalmente, para ter uma postura mais madura e correta para o meu bem-estar? Aguardo retorno. Desde já obrigado.

territoriodeumsonhador

Mensagens : 1
Data de inscrição : 01/08/2011

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum